SAÚDE
Suar demais é doença e pode exigir remédio e até cirurgia
Publicado em 29/09/2013, às 13h23
 

Algumas pessoas suam mais do que o necessário

 

Suar é um processo natural do corpo para compensar o calor excessivo e resfriar o organismo, que tem de ficar na temperatura de 36C.
Algumas pessoas, no entanto, suam mais do que o necessário. Mas bastam algumas medidas para solucionar esse problema.
Outras, cujo número estima-se em 1% da população mundial, sofrem de um mal, chamado suor excessivo (ou hiperidrose). É tanto suor que a pessoa sente vergonha de desempenhar algumas atividades, o que pode comprometer seu convívio social e o desempenho de determinadas funções, como segurar um lápis, por exemplo.
'É bem grave e incapacitante', diz a dermatologista Erica Monteiro, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). 'Tem paciente que não quer dar a mão para cumprimentar de vergonha de molhar a mão da outra pessoa', afirma.

Frio

Outro indício da doença é que ela se manifesta independentemente da temperatura externa. 'Na hiperidrose, tanto faz se você está parado ou correndo. Às vezes a pessoa está com frio, mas a mão está encharcada, a axila pingando, como se estivesse escorrendo água', descreve o cirurgião torácico José Ribas Milanez de Campos, do Hospital Albert Einstein.
Há vários tipos de tratamento para controle da sudorese. Os primeiros recomendados pelos médicos são o clínico, com medicação, e o local, com adstringentes, talcos, desodorantes. Quando nada disso é suficiente, recomenda-se o uso do botox, com aplicações locais. Mas as aplicações têm de ser refeitas entre seis meses a um ano, dependendo do paciente.
Nos casos mais severos, alerta Campos, é necessário fazer a cirurgia. O procedimento é coberto pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e consiste em dois cortes pequenos perto das axilas. Mas há um efeito colateral: em alguns casos a pessoa pode passar a suar em uma região onde não ocorria isso. Nesses casos, é necessário fazer tratamentos clínicos.